Blade Runner 2 – Vale a pena mexer?

Conforme já foi amplamente divulgado durante a semana, Ridley Scott vai dirigir uma sequência do clássico “Blade Runner – O Caçador de Androides” (1982) estrelado por Harrison Ford. A notícia pegou todos de surpresa e vem causando euforia (e frio na espinha) nos aficionados do clássico oitentista.

Para os mais desavisados, Blade Runner é um daqueles raros casos onde um roteiro de ficção cientifica consegue atingir alguma profundidade, e neste caso, até mesmo uma certa pretensão filosófica. Por esta combinação, o filme rende uma comoção parecida com a de Star Wars – fãs de todo mundo criam debates polêmicos acerca do enredo original (adaptado do best-seller “Do Androids Dream of Electric Sheep?” de Philip K. Dick).

Um dos motivos do sucesso de Blade Runner é seu final aberto, com “furos interpretativos” feitos na medida, para o telespectador tirar suas próprias conclusões e sentir-se atraído em levantar suas próprias hipóteses.

Blade Runner

Produzindo uma continuação, Ridley Scott não coloca em jogo apenas o segundo filme, como também corre sérios riscos de arranhar toda atmosfera criada pelo original.

Nem toda cortina deve ser derrubada, e isto fica muito claro se tomarmos como exemplo outros roteiros de ficção cientifica, como Lost e Evangelion. No caso de Evangelion, a cada final que o autor é “obrigado”  a improvisar, alguma coisa da obra original se perde. Já no caso de Lost, a medida que o cerco do enigma foi se fechando para explicações lógicas, a série foi debandando para o infame.

Blade Runner

Como exemplo mais otimista podemos citar Star Wars, que conseguiu alinhar perfeitamente suas continuações modernas com a cultuada trilogia dos anos 70. Quem sabe Harrison Ford não dá a mesma sorte ficando novamente de fora dos sets de filmagens (como já anunciou que fará com Blade Runner 2)? Cruzem os dedos.

Po cara dificilmente farão algo de qualidade pois infelizmente Hollywood para esse tipo de filme anda muito decadente. Mas acho muito improvavel que tirem o status de classico cult do primeiro vei, assim como outros filmes meia boca tipo o Terminator 3 nao fez os fas gostarem menos do 2, tlgdo ?

Eu fico um pouco preocupado, sabe.
É um filme que eu sempre tive muito respeito.
Quando era mais novo, gostava da atmosfera do filme.
Quando assisti de novo, já aos meus 19 anos, entendi o resto da “mensagem” dele, e poxa, tava bom como tava.

Talvez até façam um filme divertido de ver (como foi com Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal, que vale uma meia entrada com pipoca), mas eu ainda não boto muita fé.